Austrália vai emendar a lei que faz o Facebook, Google Pay for News

Australia vai emendar a lei que faz o Facebook Google

O autor das propostas de leis australianas para fazer o Facebook e o Google pagarem pelo jornalismo disse na quinta-feira que seu projeto de lei será alterado para acalmar algumas das preocupações dos gigantes digitais, mas permanecerá fundamentalmente inalterado.

O regulador de comércio justo da Austrália, Rod Sims, presidente da Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores, disse que daria sua versão final das leis para fazer o Facebook e o Google pagarem às empresas de mídia australianas pelo conteúdo de notícias que usam até o início de outubro.

O Facebook alertou que pode bloquear o conteúdo de notícias australianas em vez de pagar por isso.

O Google disse que as leis propostas resultariam em uma “piora radical na Pesquisa do Google e no YouTube”, colocaria serviços gratuitos em risco e poderia levar os dados dos usuários “a serem entregues a grandes empresas de notícias”

Sims disse que está discutindo o esboço de seu projeto de lei com as plataformas de mídia social dos EUA. Pode ser apresentado ao Parlamento no final de outubro.

“O Google se preocupa com isso, algumas delas simplesmente não gostam, outras são coisas nas quais gostaríamos de nos envolver com eles”, disse Sims em um webinar organizado pelo The Australia Institute, uma organização independente -tanque.

“Faremos mudanças para resolver alguns desses problemas – não todos, mas alguns”, disse Sims.

Entre as preocupações está o medo de que, de acordo com o chamado Código de Negociação da Mídia de Notícias, as empresas de notícias “sejam capazes de controlar de alguma forma seus algoritmos”, disse Sims.

“Vamos nos envolver com eles e esclarecer isso para que não haja nenhuma maneira de as empresas de mídia de notícias interferirem nos algoritmos do Google ou do Facebook”, disse Sims.

Ele disse que também esclareceria que as plataformas não teriam que divulgar mais dados sobre os usuários do que já compartilham.

“Não há nada no código que force o Google ou o Facebook a compartilhar os dados de indivíduos”, disse Sims.

Sims não estava preparado para negociar o “núcleo” do código, que ele descreveu como os “pedaços de cola que mantêm o código unido, que o torna viável”.

Isso incluiu um árbitro para lidar com o desequilíbrio de barganha entre os gigantes da tecnologia e as empresas de notícias. Se uma plataforma e um meio de comunicação não chegarem a um acordo sobre o preço, um árbitro será nomeado para tomar uma decisão vinculativa.

Outro aspecto central foi uma cláusula de não discriminação para evitar que as plataformas priorizassem o Australian Broadcasting and Special Broadcasting Service estatal australiano, cujo conteúdo de notícias permanecerá gratuito.

Sims disse não saber se o Facebook agiria de acordo com a ameaça e bloquearia as notícias australianas, mas suspeitava que isso “enfraqueceria” a plataforma.

Espanha e França não conseguiram fazer o Facebook e o Google pagarem por notícias através da lei de direitos autorais. Sims disse que falou sobre a abordagem da Austrália por meio de leis de comércio justo para os reguladores dos Estados Unidos e da Europa.

“Todos estão lutando contra o mesmo problema”, disse Sims.


O Android One está atrasando os smartphones Nokia na Índia? Discutimos isso no Orbital, nosso podcast semanal de tecnologia, que você pode assinar via Podcasts da Apple, Podcasts do Google, ou RSS, baixe o episódioou apenas aperte o botão play abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *